instituicaoservicoatribuicoesimprensalicitacaofaleconosco
egppceep
dctdi
dcps
Centro de Estatísticas, Estudos e Pesquisas - CEEP
 
 
CEEP
Conheça o CEEP
A Estatística no RJ
Projetos e Atividades
Dados Socioeconômicos
PIB Estadual/Municipal
Boletim de Conjuntura Econômica
Indicadores Econômicos
Anuário Online
Dados sobre população
População total, homens e mulheres e a Pirâmide etária 2000-2060 no Estado do Rio de Janeiro
Evolução dos grupos etários, índice de envelhecimento e expectativa de vida ao nascer no Estado do Rio de Janeiro
Taxas de Crescimento, Natalidade e Mortalidade, Fecundidade e Mortalidade Infantil no Estado do Rio de Janeiro
Informações do Território
Divisão Politico-Administrativa
Divisão Regional
Posição e Extensão
Ambiente
Produtos Ceperj /CEEP
Publicações e Mapas
Onde comprar
Fale com CEEP
 
 
 
 

O Centro de Estatísticas, Estudos e Pesquisas (CEEP) é a diretoria da fundação Ceperj responsável pelas bases estatísticas e geográficas do Estado. Sua equipe técnica atua na coleta e análise de dados com o objetivo de subsidiar gestores e estudiosos na percepção da realidade do estado e no aperfeiçoamento das políticas públicas.

 

População total, homens e mulheres e a Pirâmide etária 2000-2060 no Estado do Rio de Janeiro

Fonte: Instituto Brasileiro de Geografia Estatística - IBGE. Projeção da população do Brasil e das Unidades da Federação.

O tamanho e as características de uma população são ao longo do tempo influenciados por variáveis demográficas, como: mortalidade, fecundidade, nupcialidade e migrações. O Estado do Rio de Janeiro é o 3º maior do país em termos populacionais, no horizonte da projeção, em 2010, a população foi de 16.303.188 pessoas e em 2060 há uma perspectiva de 17.647.842 habitantes.

Na comparação por sexo, observa-se que a população de mulheres é maior que a população de homens em todo período da projeção. Em 2010, a população feminina do Estado do Rio de Janeiro foi de 8.517.251, representando 52,24% do total da população. Espera-se em 2060, 9.106.580 mulheres, representado 51,60%. Por outro lado, a população masculina, em 2010, foi de 7.785.937 (47,76%), em 2060 espera-se atingir 8.541.262 (48,40%).

Fonte: Instituto Brasileiro de Geografia Estatística - IBGE. Projeção da população do Brasil e das Unidades da Federação.

Ao examinar a trajetória da população por sexo e faixa etária, acredita-se que as pirâmides etárias, ao longo do tempo (2010 - 2060), passará por profundas mudanças em termos de formato e contornos. A base da pirâmide para o ano de 2060 estará mais estreita, em comparação a 2010. No topo da pirâmide acontecerá fenômeno inverso, ou seja, apresentando uma população mais envelhecida. Traduzindo o desenho em números, isso significa que a população fluminense, que contava em 2010 com 21,6% de Jovens (até 14 anos), chegará aos 14,0%, em 2060. Já os idosos, saem 8,9%, em 2010, para 26,9% em 2060.

A mudança na composição da população terá efeitos expressivos sobre as condições de vida para a sociedade como um todo. A redução do número de crianças e jovens implica na redução da pressão fiscal sobre o sistema educacional; de outro lado, o aumento acentuado das idades média e mediana da população e da parcela idosa em relação ao total da população trará novas e poderosas pressões sobre os gastos com saúde pública e com previdência social. (TAFNER, BOTELHO & ERBISTI, 2014).

Fonte: Instituto Brasileiro de Geografia Estatística - IBGE. Projeção da população do Brasil e das Unidades da Federação.


Referências:

CEPERJ. Análise dos aspectos sociais da Qualidade de vida da população do Estado do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: CEPERJ, jan., 2018;

TAFNER, Paulo; BOTELHO, Carolina; ERBISTI, Rafael. Transição Demográfica e o Impacto Fiscal na Previdência Brasileira. In: CAMARANO, Ana Amélia (Org.). Novo regime demográfico: uma nova relação entre população e desenvolvimento? Rio de Janeiro: Ipea, p. 539-570, 2014;

RIPSA. Rede Interagencial de Informação para a Saúde. Indicadores básicos para a saúde no Brasil: conceitos e aplicações. Brasília: Ripsa; Organização Pan-Americana da Saúde, 2. ed. 2008.