instituicaoservicoatribuicoesimprensalicitacaofaleconosco
egppceep
dctdi
dcps
 

Desaceleração Econômica Continua Afetando o Rio de Janeiro no primeiro mês do ano

12/04/2017

O fraco desempenho da economia fluminense no mês de janeiro de 2017, em grande parte decorrente do cenário de desaceleração econômica vigente no país, apresentou no início deste ano retração nos setores comercial e de serviços. Único indicador que apresentou resultado positivo foi a Indústria. A reboque dessa complexa conjuntura enfrentada pelo estado fluminense houve um impacto negativo sobre a geração de empregos formais e na arrecadação de ICMS.
A produção industrial medida pela Pesquisa Industrial Mensal do IBGE, com ajuste sazonal, registrou crescimento de 0,3% em relação a dezembro e, sem ajuste, a  Indústria de Transformação apresentou expansão de 3,3% e a indústria de Extração de Petróleo, queda de 1,4%.  Na comparação com igual mês do ano anterior, bem como no acumulado do ano os três segmentos apresentaram resultados positivos: a Indústria Geral, 2,4%, a Indústria de Transformação, 0,5% e a Indústria Extrativa de Petróleo, 13,0%.
 Em relação ao Comércio varejista o setor voltou a apresentar, em janeiro de 2017, resultado negativo na comparação com o mês anterior (ajustadas sazonalmente), assinalando variação de 0,6 % no volume de vendas, enquanto que a do País foi também negativa de 0,7%. Nas demais comparações, obtidas das séries sem ajustes, o comércio varejista fluminense obteve, em termos de volume de vendas, decréscimo da ordem de 5,1% sobre o mês de janeiro de 2016 e no acumulado do ano.

Quanto ao setor de Serviços, o resultado também foi negativo em janeiro de 2017, na comparação com o mês anterior, assinalando variação de 1,9% no volume de serviços, enquanto o País registrou taxa negativa de 2,2%. Nas demais comparações, obtidas das séries sem ajuste, o setor de serviços fluminense obteve, em termos de volume, um decréscimo da ordem de 10,5% sobre o mês de janeiro de 2016.

No que se refere ao Emprego formal houve perda de 26 472 postos de trabalho, em relação ao estoque de assalariados com carteira assinada do mês anterior, equivalentes a uma retração de 0,8%. Tal redução deveu-se, principalmente, aos saldos negativos dos setores de Comércio (13 087 postos de trabalho), Serviços (8 524), Construção Civil (2 471) e da Indústria de Transformação (1 969). 

O recolhimento de ICMS totalizou R$ 2.839,0 milhões em valores nominais e o resultado apurado em relação a variação real mensal de jan-17/dez-16 foi de decréscimo   de 0,3%, em função do recuo  verificado no Comércio de 8,8%.

O destaque deste Boletim fica por conta da divulgação da estimativa do PIB estadual de 2016, onde o Estado do Rio de Janeiro, segunda unidade da federação em termos de Produto Interno Bruto (R$ 651 597 milhões), apresentou em 2016 variação   negativa  de 3,7 %, resultado próximo do nacional, que registrou retração de 3,6%.

(página inicial)